Automatizando o pfSense com pfSsh.php

O pfSense teve a interface completamente redesenhada nas últimas versões. Todas as configurações podem ser facilmente acessadas e ajustadas com essa interface. No entanto, às vezes, você gostaria de fazer configurações por meio de uma API ou através do terminal. No momento, o pfSense não possui uma API, que estará disponível somente em uma das próximas versões. Até lá, você pode usar o shell do desenvolvedor pfSense, também chamado de pfSsh.php.

Acessando pfSsh.php

A maneira mais rápida de acessar o shell do desenvolvedor é conectar-se ao pfSense via SSH ou conectar diretamente ao firewall. Se o SSH ainda não estiver ativado, você pode fazer isso na interface da web em Sistema → Avançado.

É melhor proibir o login com uma senha e permitir somente o login com um certificado.

Se o acesso SSH estiver ativado, você pode fazer login com o usuário admin (ajustar IP):

$ ssh admin@192.168.1.254

Na opção 12, você encontrará o shell do desenvolvedor, que é basicamente um shell PHP.

Exemplo de comandos para pfSsh.php

Aqui estão alguns exemplos de comandos para mostrar como usar o shell. Cada entrada é um código PHP normal e deve ser completada com exec;.

Mostrar configurações de DHCP

pfSense shell: print_r($config["dhcpd"]);
pfSense shell: exec;
Array
(
    [lan] => Array
        (
            [range] => Array
                (
                    [from] => 10.0.1.7
                    [to] => 10.0.255.245
                )

        )

)

Definir domínio

pfSense shell: $config['system']['domain'] = 'mydomain.com';
pfSense shell: write_config();
pfSense shell: exec;

Execute comandos regulares do shell

Dentro do shell do PHP você também pode executar comandos normais do shell colocando um “!” Na frente dele:

pfSense shell: ! cat /etc/version
pfSense shell: exec;
2.4.3-RELEASE

Comandos “Gravar” e “Reprodução”

Com pfSsh.php você também pode “gravar” vários comandos e “reproduzi-los” mais tarde. Isso é útil para tarefas recorrentes. Um exemplo:

pfSense shell: record echoTest
Recording of echoTest started.
pfSense shell: echo "Isso\n";
pfSense shell: echo "eh\n";
pfSense shell: echo "um\n";
pfSense shell: ! echo "teste\n"
pfSense shell: exec;
pfSense shell: stoprecording
Recording stopped.

As entradas são salvas em / etc / phpshellsessions / e podem ser editadas lá, se necessário.

A “gravação” agora pode ser reproduzida da seguinte maneira:

pfSense shell: playback echoTest

Playback of file echoTest started.

Isso
eh
um
teste

pfSense shell:

ou diretamente da raíz do shell:

$ pfSsh.php playback echoTest

Conclusão

O pfSsh.php é uma ferramenta útil para automatizar o pfSense com scripts ou personalizações. Especialmente se você gerencia várias instâncias ou precisa de uma certa configuração repetidas vezes, pfSsh.php é uma grande ajuda. Por exemplo, você pode empacotar todas as configurações (isto é, código PHP) em um arquivo, salvá-las em /etc/phpshellsessions/ e executá-las ou encaminhar a saída diretamente para pfSsh.php:

$ ssh admin@192.168.1.254 '/usr/local/sbin/pfSsh.php' < MyConfig.txt

 

Usando SourceTree através de um proxy no Mac OS

O Atlassian SourceTree, uma ferramenta gratuita que possui uma interface bem fácil de usar/aprender. O público alvo desta ferramenta são usuários do Git que não gostam de trabalhar com linha de comando. Abaixo segue a configuração no MacOS para que o SourceTree possa enviar os arquivos comitados para um servidor externo sob um servidor proxy.

  1. Abra o terminal no MAC
  2. Edite o arquivo bash_profile
    1. $ vi ~/.bash_profile
  3. Adicione as linhas do proxy.
    1. export http_proxy= usuario:senha@proxy.servidor.com.br:porta
    2. export https_proxy=usuario:senha@proxy.servidor.com.br:porta
  4. $ source ~/.bash_profile
  5. Rode essa linha no terminal para recarregar o SourceTree
    1. $ /Applications/SourceTree.app/Contents/MacOS/SourceTree

 

Aproveitar a vida inteligentemente – Como planejar uma viagem usando o TripIt e o Google MyMaps

Continuando a série de artigos sobre como aproveitar a vida inteligentemente, onde postamos a tradução com adaptações da postagem de Shan e Philip do blog Enjoy the Smart Life, que pode ser conferido no link abaixo:

Aproveitar a vida inteligentemente – Planos de viagens – TripIt e o Google MyMaps

Agora, iremos traduzir/adaptar a sequência do material postado pela Shan e Philip no artigo How to Plan a Holiday Using TripiT and Google MyMaps.

Como planejar um feriado (usando o TripIt e o Google MyMaps)

Você pode planejar um feriado de maneira mais inteligente e mais fácil usando as ferramentas certas.

Em breve estaremos embarcando em nossas férias para os EUA – mas além de uma ideia geral para onde estamos indo e de algumas atividades importantes, não planejamos muito o nosso itinerário.

Ao mesmo tempo, planejamos um feriado para a Nova Zelândia entre 2018/2019. Nossas férias na Nova Zelândia será uma viagem por estrada, então isso exigirá um planejamento mais meticuloso – precisamos saber para onde chegaremos, quanto tempo levaremos, o que faremos lá (mais ou menos) e, o que é mais importante, garantir que tenhamos acomodação e pegaremos nossos vôos.

O aplicativo TripIt para Android, à esquerda, e o aplicativo Googly MyMaps para Android, à direita. Leia nossa análise completa dos aplicativos aqui.

Escolhemos o TripIt  e o Google MyMaps porque são úteis para planejar uma viagem e possuem uma plataforma cruzada. Isso significa que você pode usar o TripIt e o Google MyMaps em qualquer navegador da Internet ou como um aplicativo no iOS/Android. Você pode ler nossa análise do TripIt e do Google MyMaps aqui.

Quer tenha um itinerário de viagem detalhado ou um plano mais simples, você pode utilizar a tecnologia para desfrutar de uma viagem inteligente! Aqui está um guia geral sobre como planejar um feriado, usando aplicativos inteligentes, com base em nossa própria experiência.

Índice

Como planejamos nossas férias

Com os recursos e as deficiências do TripIt  e do Google MyMaps em mente, usamos os dois serviços lado-a-lado para a melhorar experiência de planejamento de viagens.

[Retornar ao Índice]

Itinerário “Relaxado”

Estaremos visitando os EUA no final deste ano. Para essa viagem, nós ficaremos entre 4-5 noites nas principais cidades (ou hospedaremos em algum hotel de parque temático), por isso será muito uma viagem por estradas. A maior parte do nosso transporte será via transporte público, a não ser uma unidade para o Parque Nacional de Yosemite.

Por causa disso, há menos planejamento “intenso” ou meticuloso envolvido. Além das principais atividades que devem ser reservadas com antecedência (como musicais/peças de teatro e reservas de restaurantes populares), outras atividades podem ser mais espontâneas e dependem das condições do dia.

O TripIt é útil para fornecer detalhes relacionados às suas confirmações de reserva: à esquerda estão os detalhes do hotel e à direita estão os detalhes do aluguel de carros.

Assim, o TripIt foi mais útil para esse propósito. Permitimos que o TripIt extraísse automaticamente de nossa caixa de email as confirmações de reserva para as nossas várias atividades e criamos um itinerário. Isso incluiu:

  • A confirmação de voo
  • A reserva de hotel
  • Os detalhes de aluguel de carros
  • As reservas de musicais/de jogos
  • A reserva de restaurantes
TripIt também pode retirar detalhes sobre suas atividades – este é da nossa confirmação de reserva para um musical na Broadway.

Onde detalhes adicionais precisavam ser adicionados, incluímos facilmente os planos no TripIt e agora temos um itinerário limpo para facilitar a consulta quando viajamos.

[Retornar ao Índice]

Itinerário complexo (Viagem por Estrada)

Nós também estamos planejando um feriado para a Nova Zelândia no final de 2018. A Nova Zelândia é um país adorável para uma viagem, o que requer um planejamento mais meticuloso (você não quer acabar preso e perder seu hotel depois que escurece, por exemplo).

Usamos o TripIt e o Google MyMaps simultaneamente ao planejar esse feriado. Veja um exemplo de como usamos o Google MyMaps (para mais detalhes, clique no ícone do retângulo no canto superior direito):

Como esta seção é bastante longa, aqui está um resumo das etapas para planejar um itinerário “complexo” (com base em nossa experiência no planejamento de uma viagem na Nova Zelândia) – clique nos links para ir diretamente para as etapas:

[Retornar ao Índice]

Etapa 01: Descubra o que você quer fazer

Mas antes disso, primeiro você precisa saber o que vai fazer. Então tivemos que fazer algumas pesquisas para ter uma ideia geral do que esperar e procurar.

Depois de algumas pesquisas no Google (que envolvem a leitura de vários posts de blogs, fóruns e etc) e consultas com amigos que já estiveram na Nova Zelândia, nos estabelecemos um plano geral – voando de Cingapura para Auckland (na ilha norte da Nova Zelândia), em seguida, fazer uma viagem de ida e volta (através de Taupo, Rotorua e Coromandel) antes de voltar a Auckland após uma semana.

Depois disso, voaremos para Queenstown e faremos uma viagem de carro até Christchurch (passando por Wanuka, Mt Cook, Fairlie e Arthur’s Pass) antes de voar de volta a Cingapura.

[Retornar ao Índice]

Etapa 2: Planejando uma rota

Para determinar a viabilidade de nosso itinerário, consultávamos constantemente o Google Maps para verificar a distância (e o tempo necessário) para viajar entre os destinos/grandes cidades. Estabelecemos no máximo 300 km entre os destinos – o Google Maps estima que essas distâncias exigem uma viagem de 4 horas. (Nossa distância média entre os destinos foi entre 200-250 km).

Você pode usar o TripIt para criar “direções” entre dois destinos – isso ajuda no planejamento (estimativa de distâncias e no horário de chegada), e também é útil durante uma viagem em si.

Com base em nossa experiência, o tempo real geralmente é mais longo do que as previsões do Google Maps, devido a constantes paradas para fotos (devido à beleza da Nova Zelândia) e também porque os turistas costumam dirigir mais lentamente por motivos de segurança. Mantivemos isso em mente ao planejar distâncias entre destinos.

” … você poderá adicionar” direções “no Google MyMaps para cada destino para o qual você irá visitar … Você também […] pode adicionar” direções “no TripIt para as principais rotas do seu itinerário. “

Depois disso, adicione “direções” no Google MyMaps para cada destino. Isso cria uma série de rotas no mapa que ajuda você a planejar suas acomodações e atividades. Também ajuda a visualizar (muito aproximadamente) as distâncias entre dois locais e se a rota é viável ou não.

Para uma referência visual rápida e fácil para percursos e distâncias de condução, o Google MyMaps é útil.

TripIt não pode criar automaticamente uma rota para você, simplesmente porque não há e-mails de confirmação de reserva se você estiver em uma viagem por estrada. No entanto, se você tiver a confirmações de reserva para vôos internos/domésticos (ou viagens de trem de alto valor), o TripIt criará os planos relevantes para você no itinerário diretamente na linha do tempo.

Você vai adicionar “direções” no TripIt para as principais rotas do seu itinerário. Por exemplo, estamos indo de Auckland a Taupo no segundo dia de nossa viagem à Nova Zelândia. Nós vamos adicionar direções a partir do centro da cidade (ou do nosso hotel, uma vez que decidirmos qual ficaremos) de Auckland para Taupo. Já que estamos parando por Waitomo, também incluiremos isso nas instruções.

Você também pode inserir a hora de início e o TripIt fornecerá o tempo estimado de viagem, para que você possa avaliar com mais precisão quando chegar ao seu destino.

As rotas no TripIt são úteis mais tarde quando você estiver planejando sua viagem e desejar uma referência mais precisa do que simplesmente a representação visual no Google MyMaps.

[Retornar ao Índice]

Etapa 3: Encontrar Acomodações

Tendo encontrado destinos atraentes (como Rotorua, Taupo, Wanaka, Queenstown etc.) com a nossa pesquisa on-line, em seguida tivemos que garantir que esses locais tivessem uma acomodação boa e acessível. Nós preferimos não dormir em barracas de acampamento e sim em algum hotel/hostel.

“Os comentários dos usuários são mais “precisos”… se muitos usuários confirmarem que o hotel é bom. … Por conseguinte, eu costumo ignorar os hotéis de alta pontuação com muito poucos comentários.”

A nossa forma preferida de escolher hotéis (ou outros alojamentos) é verificando comentários de usuários reais. As resenhas de usuários são mais “precisas” quando confirmadas em grande escala – assim, por exemplo, se você ler um blog que diz que um hotel é bom, é possível que o hotel seja bom apenas para essa pessoa. Mas, se um grande número de usuários confirmam que o hotel é bom, então, estatisticamente, as chances de que o hotel seja realmente bom são maiores.

Você pode classificar por “Classificação do viajante” no TripAdvisor para ver quais hotéis têm as melhores avaliações de usuários. O TripAdvisor tem uma ampla variedade de acomodações, bem como uma grande base de comentários de usuários.

Para isso, normalmente recorremos ao TripAdvisor e ao Booking.com por causa da enorme lista de acomodações, bem como do alto volume de comentários de usuários.

Vamos em ambos os sites, digitamos as datas em que estaremos lá e pesquisamos o destino onde planejamos na etapa 2 acima, depois classificamos as acomodações com base nas avaliações dos usuários. Por exemplo, para Auckland, pesquisamos isso no Booking.com.

Você também pode classificar por “pontuação de revisão” no Booking.com. Embora possa haver nada de errado com hotéis com muito poucos comentários, geralmente, você vai querer procurar hotéis com um maior número de comentários (de preferência com pelo menos 150 comentários).

É importante observar que, ao classificar com base nas pontuações das avaliações de usuários, o TripAdvisor e a Booking.com simplesmente consideram a média de todas as resenhas de usuários. Isso não é necessariamente útil porque alguns hotéis são tão obscuros (ou tão novos) que apenas um punhado de pessoas os revisou. Por causa disso, você não pode ter certeza de que a pontuação alta é (estatisticamente) precisa.

Assim, eu costumo ignorar os hotéis de alta pontuação com muito poucos comentários. O que constitui “muito poucas revisões” depende da natureza da localização. Em cidades maiores ou mais populares, como Auckland ou Queenstown , haverá mais avaliações de usuários, por isso, ignoraremos as acomodações com menos de 50 comentários e, geralmente, veremos hotéis com 150 ou mais avaliações. Em locais menores ou menos populares, até 20 avaliações podem ser suficientes.

” … olhamos para o preço … olhamos para o local, vemos as fotos de viajantes e lemos uma amostra de avaliações recentes de usuários. “

Em seguida, olhamos para o preço – é inútil reservar um hotel muito bem avaliado fora do nosso orçamento.

É importante olhar as fotos do hotel para garantir que o estilo seja do seu agrado.

Por fim, analisamos o local, vemos as fotos de viajantes e lemos uma amostra de avaliações recentes de usuários. A localização é importante, especialmente se você estiver viajando de transporte público. Você vai querer estar a uma curta distância (de preferência menos de 5 ou 10 minutos a pé) da estação de trem mais próxima (ou outra forma de transporte público). Você também vai querer estar no centro da cidade (se estiver hospedado em uma cidade), caso contrário, você estará perdendo tempo todos os dias viajando de um lado para o outro.

“ … as fotos dos viajantes são importantes porque são uma representação mais precisa do seu alojamento … ”

TripAdvisor geralmente tem mais fotos de viajantes para cada hotel – essas fotos são muito, muito útil para verificar a condição real e estilo do hotel.

As fotos de viajantes são importantes porque pessoas diferentes têm preferências diferentes. Você pode encontrar um hotel com comentários muito bons, mas o estilo dos quartos pode não ser ao seu gosto. Além disso, as fotos dos viajantes são importantes porque são uma representação mais precisa do seu alojamento – as fotos profissionais tiradas pelos próprios hotéis quase sempre parecem melhores que a realidade.

” … as análises de usuários permitem que você saiba o que os compradores devem procurar … [e] também dar dicas … “

E, finalmente, as resenhas dos usuários permitem que você saiba o que os compradores devem observar – eles tendem a apontar os pontos negativos que enfrentaram. Se é algo que ressoa com você, você pode levar isso em consideração. Eles também podem dar dicas sobre o que procurar. Por exemplo, encontramos  um hotel onde todos comentaram sobre o café-da-manhã de cortesia, este é um ponto de destaque.

As análises dos usuários são úteis para identificar os negociadores e permitir que você saiba o que procurar. O formato de revisão do Booking.com permite que os revisores adicionem um sinal “negativo” (sinal cinza de subtração) e um sinal “positivo” (sinal de adição verde), para fácil referência.

Com tudo isso em mente, vamos tentar fazer uma reserva para o hotel, de preferência com a opção de cancelamento gratuito (mesmo que isso custe alguns dólares a mais – geralmente vale a pena).

O TripAdvisor tem uma estrutura de avaliação de usuários diferente, mas geralmente tem mais comentários (que são mais abrangentes).

“ … nós preferimos fazer nossas reservas com o Booking.com porque recebemos um “ cashback ”… mas o mais importante é que o site sempre mostra o preço final que você paga, sem custos ocultos. “

Em uma nota aleatória, preferimos fazer nossas reservas com Booking.com porque recebemos “cashback” do Shopback , mas o mais importante é que o site sempre mostra o preço final que você paga, sem custos ocultos . No passado, costumávamos olhar para todos os sites de reserva populares (e há um grande número deles – Expedia, Agoda, Hotels.com, Trivago, TripAdvisor e Booking.com etc.) e comparar preços.

Às vezes, os preços nos outros sites de reservas pareciam mais atraentes e acabávamos fazendo a reserva da acomodação. Mas depois de 5 minutos de clicar e selecionar, descobrimos que o preço final era mais alto do que o preço exibido por causa de impostos e outros encargos. Quando comparamos esses preços com o preço da Booking.com, descobrimos que o preço da Booking.com era igual ou mais barato do que o preço final.

Como é difícil estimar o preço final real da acomodação com base no preço exibido para esses websites, acabamos simplesmente aderindo à Booking.com porque éramos preguiçosos (descobrimos que, em geral, mesmo sem o “cashback” do Shopback , os preços do Booking.com foram muito competitivos. É claro que esta é apenas a nossa experiência pessoal).

Obviamente, se você tiver tempo e motivação, é sempre melhor comparar o preço de cada hotel com todos os outros sites de reservas. Lembre-se de preencher todos os detalhes relevantes e conferir todos as minuciosidades até chegar à página de confirmação (antes de pagar) – porque o preço exibido na primeira página pode não ser o preço final de todos os sites de reserva.

Você também pode reservar residências / apartamentos privados através do Airbnb, que geralmente é mais barato, mas nós tendemos a não escolher essas opções porque você pode sentir que está dormindo na “cama de outra pessoa”.

Uma nota na Airbnb : Você também pode reservar acomodações da Airbnb  para muitos destinos. Airbnb é geralmente mais barato porque é um site que oferece aluguéis de apartamentos ou casas de pessoas, e não hotéis reais. 

Nós pessoalmente não costumamos alugar do Airbnb porque geralmente preferimos o serviço de hotéis (particularmente o serviço de limpeza diária) – ficar em apartamentos Airbnb às vezes parece que você está hospedado na casa de alguém (porque é exatamente isso) e isso pode não se adequar a sua preferência. 

Se você estiver usando o Airbnb, certifique-se de observar as altas avaliações de usuários para o lugar específico alugado, porque os operadores menos confiáveis ​​podem significar que você não terá para onde ficar quando chegar ao país estrangeiro.

Depois de concluir suas reservas, você receberá e-mails de confirmação. Você pode encaminhar esses e-mails para o TripIt ou ativar a opção do TripIt para retirar automaticamente os detalhes do seu e-mail.

Depois disso, o TripIt organizará seus planos de hospedagem em uma linha do tempo, com todos os detalhes que você incluídos. É rápido, eficiente e uma referência útil.

Depois de reservar sua hospedagem, o TripIt pode detectar automaticamente sua confirmação de reserva por e-mail e adicionar a acomodação (juntos todos os detalhes essenciais) ao seu itinerário de viagem.

Para o Google MyMaps, você terá que adicionar manualmente cada hotel como um “marcador”, depois alterar o ícone relevante e adicionar quaisquer detalhes adicionais que queira incluir. Vale a pena, entretanto, porque quando você precisar de uma referência visual rápida e fácil, o Google MyMaps é muito útil.

[Retornar ao Índice]

Etapa 4: Pesquise (e confirme) seus planos de transporte

É importante ter certeza de como você vai se locomover nas suas férias. Seria um desastre absoluto se você tivesse um itinerário bem planejado, mas não pudesse ir de um destino ao outro – isso acabaria com todos os seus planos subseqüentes!

Isso é especialmente importante se você estiver viajando durante a alta temporada de férias (por exemplo, durante o verão na Nova Zelândia). Aluguel de carros e vôos podem ficar exorbitantemente caros, ou até mesmo lotados, se você tentar fazer reservas em cima da hora.

Em destinos onde as viagens por estrada são populares, geralmente há uma grande variedade de empresas de aluguel de carros diferentes, algumas mais estabelecidas do que outras.

Certifique-se de fazer sua pesquisa por opções de transporte acessíveis e confiáveis ​​- muitas vezes haverá sites de classificação (com comentários de usuários) para a maioria das empresas de aluguel de transportes. Isso é importante porque alguns veículos (das empresas de locação menos confiáveis) podem até mesmo parar de funcionar no meio da viagem, o que seria um pesadelo absoluto.

Ao alugar veículos, geralmente procuramos as apólices de seguro com maior cobertura e alugamos o aparelho GPS. Embora possa ser mais caro, geralmente vale a pena para a paz de espírito, especialmente porque você estará dirigindo em um ambiente estrangeiro.

Geralmente é uma boa idéia escolher a apólice de seguro com mais cobertura (e zero excesso).

Depois de planejar ou confirmar seus planos de transporte, você deverá adicioná-los ao TripIt. Você pode já tê-las adicionado na etapa 2 acima, por isso não há muito mais para adicionar aqui.

Você vai querer adicionar “direções” entre seus destinos no TripIt para facilitar o planejamento

Da mesma forma, se você ainda não adicionou suas rotas ao Google MyMaps (na etapa 2 acima), convém fazer isso agora.

Você também deseja adicionar “direções” entre os destinos em seu trajeto no Google MyMaps.

[Retornar ao Índice]

Etapa 5: Pesquise as atividades

Suas atividades são geralmente o destaque de um feriado real. Mas devido à natureza da disponibilidade de tais coisas e aos variados tipos de atividades em qualquer lugar, geralmente há menos urgência em confirmar essas atividades com muita antecedência.

Claro, há exceções, e certos restaurantes, musicais/peças de teatro ou outras atividades podem ser reservadas por meses ou até um ano antes. Para essas coisas, você vai querer fazer sua pesquisa e garantir que você reserve com antecedência para evitar decepções.

Para outras atividades (como a maioria das peças de teatro ou musicais, compromissos de spa, esportes radicais etc.), reservar um mês ou dois de antecedência é geralmente seguro. Visitar museus e outros locais de interesse também não exigem reservas antecipadas, embora sua milhagem possa variar (não deixe de fazer sua pesquisa!).

Flexibilidade em sua programação real quando se trata de atividades é realmente uma coisa boa para a maioria dos feriados. Aderir a um cronograma rígido pode arruinar a diversão, e as condições estão mudando constantemente, portanto, pode ser necessária alguma reorganização de atividades.

O TripIt pode retirar automaticamente detalhes de suas confirmações de reserva por e-mail e adicioná-los ao seu itinerário.

Ainda é útil ter uma ideia do que você deseja fazer e adicionar esses planos ao TripIt como “atividades” para fácil referência quando você estiver no local.

Para uma melhor visualização e planejamento do seu tempo, você também desejará adicionar “marcadores” para essas atividades em seus locais no Google MyMaps e alterar os ícones de acordo.

[Retornar ao Índice]

Fonte: https://www.enjoythesmart.life/article/how-to-plan-a-holiday-using-tripit-and-google-mymaps

Aproveitar a vida inteligentemente – Planos de viagens – TripIt e o Google MyMaps

Vários amigos sempre nos perguntam sobre as ferramentas que utilizamos em nossas viagens. Bem, já faz alguns anos que venho utilizando diversas soluções para organizar melhor os roteiros, alguma coisa que vá além do Google Maps.

Algo que não abro mão é sempre fazer viagens contando com o auxílio de GPS. Com toda a certeza este é um investimento que vale a pena ser feito. O GPS ajuda muito, principalmente em cidades grandes ou em locais que você nunca visitou e não tenha nem noção para que direção seguir, além disso, os mapas funcionam offline, sem necessidade de conexão a internet. Sei que o Google Maps também permite baixar um quadrante do mapa para navegar offline, mas não é a mesma coisa de um produto exclusivo para essa finalidade.

Mesmo que ele não te indique a melhor rota, o GPS te levará ao destino de uma forma muito mais fácil,  tranquila e rápida do que se você estivesse usando os mapas convencionais e perguntando para todo mundo por onde você deve ir.

Os aparelhos da marca Garmin sempre são as melhores opções, pois muitos dos mapas disponíveis gratuitamente na internet são compatíveis com esta marca. Eu pessoalmente ainda não tenho um aparelho dessa marca, mas nesse link você tem detalhes de como funcionam.

Porém existem alternativas “gratuitas” que funcionam muito bem em smartphones, tablets e centrais multimídia de várias marcas (Android, Windows CE e iOS). Atualmente tenho utilizado dessa forma, os aplicativos Navitel e 7 Ways Navigator, tanto no celular como na central multimídia do carro. Inclusive com atualizações constantes de mapas pelo projeto TrackSource. Futuramente vou fazer algumas postagens sobre esses GPS’s.

TripIt e o Google MyMaps

Sem dúvida, fazer planos de viagem é trabalhoso e incômodo, principalmente quando você tem que lidar com reservas encontrar confirmações em e-mails ou conversas de WhatsApp.

Uma maneira mais inteligente de fazer planos viagens é utilizando essa dupla – o TripIt e o Google MyMaps, que são dois serviços de plataforma cruzada que trazem muita conveniência ao planejamento de um itinerário. Esses aplicativos, podem ser acessados ​​de qualquer navegador da Internet ou através de aplicativos iOS ou Android.

Estava fazendo uma postagem completa da minha visão de utilizador dessas duas ferramentas, porém, acabei encontrando um material excelente escrito pela Shan e Philip do blog Enjoy the Smart Life, detalhando em pormenores como utilizar essas duas ferramentas de forma eficiente. Com isso, vou postar aqui uma tradução do artigo (utilizando as mesmas imagens) para manter registrado nesse blog e não correr o risco de perder o conteúdo postado no Enjoy The Smart Life, vai que o site deles saia do ar…

O TripIt e o Google MyMaps são serviços multi-plataforma – à esquerda está o aplicativo TripIt para Android, à direita está o aplicativo Google MyMaps.

Usando o TripIt

TripIt funciona como um aplicativo móvel também (foto em um telefone Android).

Enquanto procurávamos na Internet por um aplicativo / serviço de plataforma cruzada que permitisse um fácil planejamento de férias, topamos com o TripIt . Funciona em qualquer navegador Web e também possui aplicativos iOS e Android.

O site / painel de embarque do TripIt mostra um breve resumo dos seus planos de viagem futuros.

TripIt permite que você crie uma linha do tempo de atividades planejadas em uma viagem. Você pode criar planos para hospedagem, atividades, rotas e vôos. Usando essas funções, você pode criar um itinerário para as suas férias.

“ … O TripIt também extrai detalhes de suas confirmações de reserva … e cria com precisão esses planos para você na linha do tempo. … TripIt é capaz de extrair detalhes adicionais … [e] criar um itinerário planejado … ”

Para maior precisão no planejamento de suas férias, você pode adicionar rotas – basta fornecer o endereço de sua localização e destino esperados (por exemplo, de hotel para aeroporto) e o TripIt fornecerá rotas (a partir dos mapas do Google), bem como um tempo estimado de viagem.

Isso ajuda no planejamento do tempo que você deve sair e é realmente útil (especialmente quando você está no exterior e não tem certeza). Essas instruções podem ser para andar de bicicleta, dirigir, caminhar ou usar transporte público.

O TripIt permite adicionar rotas de maneira conveniente entre destinos.

O que é surpreendente é que o TripIt também extrai detalhes de suas confirmações de reserva diretamente de sua caixa de entrada do Gmail e cria com precisão esses planos para você na linha do tempo. É inteligente o suficiente para juntar todos esses planos separados em um itinerário para suas férias / viagens.

Alternativamente, você pode encaminhar suas confirmações de reserva por e-mail para o TripIt (em plans@tripit.com) e ele irá gerar automaticamente um plano para você dentro de sua viagem. Esse recurso é incrível!

TripIt é capaz de puxar com precisão os detalhes de confirmação de reserva de seus e-mails.

A forma como isto funciona é bastante surpreendente, porque a TripIt consegue obter detalhes adicionais sobre o seu vôo (diretamente dos terminais do aeroportos, com detalhes de chegadas e partidas e horários relevantes), alojamento (como localização, check-in e check out, números de telefone, etc.), atividades (como local, horários, etc.), reservas em restaurantes, acordos de transporte, etc.

Um exemplo da linha do tempo do TripIt com os planos (para o seu itinerário de viagem).

O TripIt também é capaz de detectar “conflitos” no seu plano (quando os números de vôo ou horários se diferem, ou quando os planos entram em conflito uns com os outros). Você pode então decidir como resolver o conflito.

Usando essas ferramentas, é muito fácil criar um itinerário planejado, detalhado ou não. A melhor parte é que, uma vez que você realmente reservou a hospedagem / vôo etc., o TripIt irá mesclar os detalhes de confirmação em seus planos (incluindo números de reserva) e você terá um itinerário finalizado para referência.

Nota sobre o TripIt Pro : TripIt é um serviço gratuito e funciona bem sem ter que pagar um centavo. Mas também tem recursos “premium” que você pode pagar US$ 40 por ano – o que ajuda você a rastrear seus vôos e milhas de passageiro freqüente, entre outras coisas. Com um recurso de atualização em tempo real sempre que houver uma alteração no horário do voo ou terminal, etc., é especialmente útil. Mas, francamente, US$ 40 / ano é exorbitante e, a menos que você seja um viajante freqüente, planejando viagens de trabalho durante todo o ano, não recomendo pagar pelo serviço.

Usando o Google MyMaps

O aplicativo Google MyMaps em um telefone Android.

O Google MyMaps não é tão detalhado quanto o TripIt quando se trata de planejar um feriado. É útil para visualizar onde você quer ir (especialmente se for uma viagem).

Eu incluí um itinerário que foi planejado no Google MyMaps para uma viagem pela estrada na Nova Zelândia aqui como exemplo:

Uma observação no Google Trips : o Google também tem um aplicativo com funcionalidade semelhante ao TripIt, chamado Google Trips . Embora o Google Trips possa verificar automaticamente seus e-mails para criar um itinerário para você, não apresentamos o Google Trips aqui porque ele não funciona tão bem quanto o TripIt (pelo menos por enquanto).

Em primeiro lugar, o Google Trips existe apenas em um aplicativo para Android e não pode ser acessado em um navegador. Segundo, você tem menos controle granular sobre seus planos. O TripIt permite que você adicione facilmente detalhes sobre hospedagem, atividades, rotas, etc. A verificação automática de e-mails do Google Trips também (de forma surpreendente) não funciona tão bem quanto os algoritmos do TripIt.

Onde o Google Trips brilha está na integração com outros serviços do Google. Por exemplo, é muito mais intuitivo encontrar e-mails de reserva relacionados para seu voo no Google Trips. O Google Trips também tem um recurso de “guia off-line”, que faz o download de informações sobre locais de interesse, transporte, descontos, etc. relacionados à sua viagem. Se você estiver interessado nessas funcionalidades automáticas, pode conferir aqui.

O Google MyMaps é como uma extensão do Google Maps. Ele tem acesso ao banco de dados inteiro de locais, hotéis, atividades etc. do Google. Você pode pesquisar facilmente um ponto de interesse e aplicar um alfinete (chamado de “marcador”) no mapa.

Você pode pesquisar pontos de interesse, pontos de referência ou outros destinos no Google MyMaps e adicioná-los como “marcadores”, seja para referência ou para adicionar “rotas”.

Você pode, então, rotular o pino de acordo (e até mesmo alterar o ícone e a cor do pino) para fácil referências no futuro.

” … você naturalmente vai querer olhar para o Google MyMaps … quando você precisa de uma referência [visual] rápida para o seu itinerário … a natureza visual do MyMaps (que mostra convenientemente seus pontos de referência / direções) permite que você rapidamente Descubra onde você estará fazendo alguma coisa. “

Um dos recursos mais úteis é também a capacidade de criar “direções”. Com isso, você pode facilmente ver onde você está indo entre pontos de interesse e ainda medir a distância com uma simples régua.

Você pode adicionar rotas no Google MyMaps e uma rota será mapeada para você em sequência. Você pode alterar a rota arrastando-a. Aqui, você pode ver a rota de Taupo (C) a Rotorua (D).

No entanto, o Google MyMaps é limitado, pois você não pode obter rotas de GPS passo-a-passo do próprio MyMaps. Na verdade, não há link para o Google Maps para obter essas rotas. Terá de abrir manualmente o Google Maps e introduzir as direções para obter direções de GPS passo a passo, o que é um aborrecimento. Ou exportar o link e enviar pra você mesmo e abrir no Google Maps.

Não obstante, você verá que, naturalmente, você desejará olhar para o Google MyMaps sobre o TripIt quando precisar de uma referência rápida para o seu itinerário. Isso ocorre porque a natureza visual do MyMaps (que mostra convenientemente seus pontos de referência / direções) permite que você descubra rapidamente onde você estará em determinado trecho de seu itinerário.

Você pode editar o “título” e “notas” para cada marcador para incluir detalhes adicionais ou alterar o nome (e o ícone) do ponto de interesse.

Além disso, se você editar cada ponto de referência para indicar manualmente as datas em que pretende visitar o ponto de referência, terá uma referência rápida e fácil posteriormente.

Você se verá usando o TripIt e o Google MyMaps enquanto planeja suas férias

Ao fazer o pré-planejamento, o uso do TripIt e do Google MyMaps é uma prancheta conveniente para o planejamento do “esqueleto” (ou estrutura) do seu itinerário. Com essa estrutura (que você pode mudar facilmente conforme faz mais pesquisas e mudar seus planos), você tem um ponto de referência fácil ao observar atividades e acomodações.

Isso também ajuda quando você começa a fazer suas reservas, porque é fácil voltar ao seu itinerário no TripIt ou no MyMaps para ver se você perdeu alguma coisa.

E, claro, quando você estiver de férias, as informações armazenadas off-line no TripIt serão úteis sempre que precisar de detalhes sobre seu vôo, acomodações ou atividades (convenientemente armazenadas em um só lugar!).

O uso desses serviços inteligentes economiza muito tempo e nos ajuda a garantir que não perderemos nada.

É indicado para qualquer pessoa que esteja planejando uma viagem qualquer (com um itinerário detalhado).

Quem não deveria usar isso?
Qualquer pessoa não familiarizada com o uso de aplicativos para smartphone e prefere documentos impressos.

Fonte: https://www.enjoythesmart.life/article/review-tripit-and-google-mymaps-apps-website

Compartilhando um diretório do Windows (Active Directory) no Linux

Maneira simples de acessar compartilhamentos Windows em um servidor Linux.

Imagine a seguinte situação:

  1. Você tem uma infraestrutura com Active Directory da Microsoft ou LDAP, com pastas compartilhadas na rede, tudo funcionando de boa;
  2. Você também tem um servidor web (apache ou nginx) rodando tranquilamente, servindo sua intranet ou site na internet…;
    1. Aí alguém chega pra você e fala:
      – Sabe essa pasta compartilhada do setor XXX, então, precisamos colocar esses arquivos disponíveis TAMBÉM na Web (intranet ou internet).
      – Ah, mas esses arquivos devem continuar sendo acessível normalmente pelo compartilhamento do Windows. 

Isso é bem fácil de resolver, basta utilizar o cliente CIFS de sistemas de arquivos do Windows.

1° passo

Criar um ponto de montagem no servidor web. Usualmente utilizamos o /mnt, mas fica a critério de suas necessidades. No nosso exemplo, vamos criar esse ponto de montagem direto na pasta DocumentRoot de nosso servidor, que roda Apache e posteriormente definir o usuário apache como dono do diretório criado.

[root@servidor ~]# mkdir /var/www/html/arquivos

[root@servidor ~]# chown apache:apache /var/www/html/arquivos/ -R

2º passo

Criar um arquivo com as credenciais de acesso do Active Directory à pasta compartilhada. Vamos criar dentro do home do usuário Root:

[root@servidor ~]# vim /root/.shared_credencial

Insira essas informações, tão como informados:

username=nome_usuario_ad
password=senha_usuario_ad
domain=dominio.de.seu.ad

3º passo

Editar o fstab, inserindo o ponto de montagem para a pasta /var/www/html/arquivos, passando as credencias de acesso que foram registradas em /root/.consu_credencial.

[root@manjuba ~]# vim /etc/fstab

Inserir a seguinte linha no final do arquivo, substituindo o IP do servidor de arquivos e o caminho da pasta compartilhada do exemplo dado (192.168.0.10/SETORX/arquivos) pelas informações de seu compartilhamento windows.

//192.168.0.10/SETORX/arquivos /var/www/html/arquivos/ cifs credentials=/root/.shared_credencial,iocharset=utf8,sec=ntlm,nobootwait,uid=apache,gid=apache 0 0

4º passo

Se você fizer uma nova entrada no fstab, ela não será montada automaticamente. Portanto, você deve recarregar/atualizar as entradas. Uma reinicialização no Linux fará isso, mas essa não é uma maneira amigável. Uma maneira rápida de recarregar novas entradas em /etc/fstab é usar o comando mount:

[root@manjuba ~]# mount -a

Após isso, se você acessar a pasta montada, irá ter acesso aos arquivos compartilhados e como foi montado dentro do DocumentRoot do apache, os mesmos também estarão acessíveis na Web.

[root@manjuba ~]# ls /var/www/html/arquivos/

http://192.168.0.10/arquivos/

 

 

Como criar um repositório GiT de um projeto já existente e enviar ao Bitbucket?

Criando essa postagem porque nunca lembro desta sequência de comandos!

Situação: você possui um projeto já existente (pasta) e deseja que esse projeto vire um repositório GIT e que seu conteúdo seja enviado ao Bitbucket ou outro host remoto, como faz?

Obviamente você precisará ter o GiT já instalado em sua máquina (não vou colocar isso aqui), partindo do pressuposto que você ja o tenha instalado, execute os seguintes comandos para realizar a atividade proposta:

OBS: os comandos devem ser executados na pasta do projeto

  1. git init (inicializa um repositório GIT)
  2. git add –all (adiciona todos os arquivos ao GIT)
  3. git remote add origin LINK_PARA_O_REPOSITORIO (este link você consegue no próprio Bitbucket na página do projeto)
  4. git commit -m “Commit inicial” (cria um commit inicial)
  5. git push -u origin master (envia seu projeto para a branch master, se tive routra branch, mude o nome).

É isso!

Sistema Educativo na Europa

Na Espanha existe um grupo que reúne diversos especialistas do setor de educação, centros educativos, pais de alunos, gestores de escolas e diversos outros profissionais responsáveis pela tomada de decisão educacional no país.

O grupo mantém um periódico com artigos e matérias relacionadas a educação, chamado Periódico Magisterio. É tido como o mais antigo boletim sobre esse tema na Espanha, com mais de 145 anos de existência. Dirigido aos profissionais de educação, semanalmente é enviado aos centros educativos, secretarias de educação, associações de profissionais de ensino e diversas outras entidades do país com as informações mais qualificadas do setor. Todo esse material também fica disponível no portal www.magisnet.com.

Juntamente com a entidade EDUCARE, o Periódico Magisterio têm desenvolvido um trabalho de explicar o funcionamento do sistema de ensino em diversos países da Europa. E para isso, utilizam o método de infográfico. Veja a seguir alguns já produzidos.

Chipre

Fonte: https://www.magisnet.com/pdf/Infograf%C3%ADa-Chipre.pdf

Bulgária


Fonte: https://www.magisnet.com/pdf/Infograf%C3%ADa-Bulgaria.pdf

Croácia

Fonte: https://www.magisnet.com/pdf/Infograf%C3%ADa-Croacia.pdf


Veja neste link, todos os demais infográficos produzidos, ou acesse diretamente no link dos respectivos países:

Geradores de sintaxe Crontab

Se você quiser executar periodicamente uma tarefa (por exemplo, enviar e-mails, fazer backup de banco de dados, fazer manutenção regular etc.) em horários e datas especificadas, é bem provável que você irá utilizar o CRON disponível nos sistemas Unix / Linux para isso.

A sintaxe de agendamento é simples, mas permite muitas customizações:

# .---------------- minute (0 - 59) 
# | .------------- hour (0 - 23)
# | | .---------- day of month (1 - 31)
# | | | .------- month (1 - 12) OR jan,feb,mar,apr ... 
# | | | | .---- day of week (0 - 7) (Sunday=0 or 7)  OR sun,mon,tue,wed,thu,fri,sat 
# | | | | |
# * * * * *  command to be executed

Para facilitar na hora de definir esse agendamento, existe alguns geradores que poderão ajudá-lo a produzir uma sintaxe de crontab que você possa copiar e colar em seu arquivo crontab (você pode abrir o arquivo usando o comando crontab –e).

Crontab GURU
https://crontab.guru/

Crontab Generator
https://crontab-generator.org/ ou https://crontabgenerator.org/