Aproveitar a vida inteligentemente – Planos de viagens – TripIt e o Google MyMaps

Vários amigos sempre nos perguntam sobre as ferramentas que utilizamos em nossas viagens. Bem, já faz alguns anos que venho utilizando diversas soluções para organizar melhor os roteiros, alguma coisa que vá além do Google Maps.

Algo que não abro mão é sempre fazer viagens contando com o auxílio de GPS. Com toda a certeza este é um investimento que vale a pena ser feito. O GPS ajuda muito, principalmente em cidades grandes ou em locais que você nunca visitou e não tenha nem noção para que direção seguir, além disso, os mapas funcionam offline, sem necessidade de conexão a internet. Sei que o Google Maps também permite baixar um quadrante do mapa para navegar offline, mas não é a mesma coisa de um produto exclusivo para essa finalidade.

Mesmo que ele não te indique a melhor rota, o GPS te levará ao destino de uma forma muito mais fácil,  tranquila e rápida do que se você estivesse usando os mapas convencionais e perguntando para todo mundo por onde você deve ir.

Os aparelhos da marca Garmin sempre são as melhores opções, pois muitos dos mapas disponíveis gratuitamente na internet são compatíveis com esta marca. Eu pessoalmente ainda não tenho um aparelho dessa marca, mas nesse link você tem detalhes de como funcionam.

Porém existem alternativas “gratuitas” que funcionam muito bem em smartphones, tablets e centrais multimídia de várias marcas (Android, Windows CE e iOS). Atualmente tenho utilizado dessa forma, os aplicativos Navitel e 7 Ways Navigator, tanto no celular como na central multimídia do carro. Inclusive com atualizações constantes de mapas pelo projeto TrackSource. Futuramente vou fazer algumas postagens sobre esses GPS’s.

TripIt e o Google MyMaps

Sem dúvida, fazer planos de viagem é trabalhoso e incômodo, principalmente quando você tem que lidar com reservas encontrar confirmações em e-mails ou conversas de WhatsApp.

Uma maneira mais inteligente de fazer planos viagens é utilizando essa dupla – o TripIt e o Google MyMaps, que são dois serviços de plataforma cruzada que trazem muita conveniência ao planejamento de um itinerário. Esses aplicativos, podem ser acessados ​​de qualquer navegador da Internet ou através de aplicativos iOS ou Android.

Estava fazendo uma postagem completa da minha visão de utilizador dessas duas ferramentas, porém, acabei encontrando um material excelente escrito pela Shan e Philip do blog Enjoy the Smart Life, detalhando em pormenores como utilizar essas duas ferramentas de forma eficiente. Com isso, vou postar aqui uma tradução do artigo (utilizando as mesmas imagens) para manter registrado nesse blog e não correr o risco de perder o conteúdo postado no Enjoy The Smart Life, vai que o site deles saia do ar…

O TripIt e o Google MyMaps são serviços multi-plataforma – à esquerda está o aplicativo TripIt para Android, à direita está o aplicativo Google MyMaps.

Usando o TripIt

TripIt funciona como um aplicativo móvel também (foto em um telefone Android).

Enquanto procurávamos na Internet por um aplicativo / serviço de plataforma cruzada que permitisse um fácil planejamento de férias, topamos com o TripIt . Funciona em qualquer navegador Web e também possui aplicativos iOS e Android.

O site / painel de embarque do TripIt mostra um breve resumo dos seus planos de viagem futuros.

TripIt permite que você crie uma linha do tempo de atividades planejadas em uma viagem. Você pode criar planos para hospedagem, atividades, rotas e vôos. Usando essas funções, você pode criar um itinerário para as suas férias.

“ … O TripIt também extrai detalhes de suas confirmações de reserva … e cria com precisão esses planos para você na linha do tempo. … TripIt é capaz de extrair detalhes adicionais … [e] criar um itinerário planejado … ”

Para maior precisão no planejamento de suas férias, você pode adicionar rotas – basta fornecer o endereço de sua localização e destino esperados (por exemplo, de hotel para aeroporto) e o TripIt fornecerá rotas (a partir dos mapas do Google), bem como um tempo estimado de viagem.

Isso ajuda no planejamento do tempo que você deve sair e é realmente útil (especialmente quando você está no exterior e não tem certeza). Essas instruções podem ser para andar de bicicleta, dirigir, caminhar ou usar transporte público.

O TripIt permite adicionar rotas de maneira conveniente entre destinos.

O que é surpreendente é que o TripIt também extrai detalhes de suas confirmações de reserva diretamente de sua caixa de entrada do Gmail e cria com precisão esses planos para você na linha do tempo. É inteligente o suficiente para juntar todos esses planos separados em um itinerário para suas férias / viagens.

Alternativamente, você pode encaminhar suas confirmações de reserva por e-mail para o TripIt (em plans@tripit.com) e ele irá gerar automaticamente um plano para você dentro de sua viagem. Esse recurso é incrível!

TripIt é capaz de puxar com precisão os detalhes de confirmação de reserva de seus e-mails.

A forma como isto funciona é bastante surpreendente, porque a TripIt consegue obter detalhes adicionais sobre o seu vôo (diretamente dos terminais do aeroportos, com detalhes de chegadas e partidas e horários relevantes), alojamento (como localização, check-in e check out, números de telefone, etc.), atividades (como local, horários, etc.), reservas em restaurantes, acordos de transporte, etc.

Um exemplo da linha do tempo do TripIt com os planos (para o seu itinerário de viagem).

O TripIt também é capaz de detectar “conflitos” no seu plano (quando os números de vôo ou horários se diferem, ou quando os planos entram em conflito uns com os outros). Você pode então decidir como resolver o conflito.

Usando essas ferramentas, é muito fácil criar um itinerário planejado, detalhado ou não. A melhor parte é que, uma vez que você realmente reservou a hospedagem / vôo etc., o TripIt irá mesclar os detalhes de confirmação em seus planos (incluindo números de reserva) e você terá um itinerário finalizado para referência.

Nota sobre o TripIt Pro : TripIt é um serviço gratuito e funciona bem sem ter que pagar um centavo. Mas também tem recursos “premium” que você pode pagar US$ 40 por ano – o que ajuda você a rastrear seus vôos e milhas de passageiro freqüente, entre outras coisas. Com um recurso de atualização em tempo real sempre que houver uma alteração no horário do voo ou terminal, etc., é especialmente útil. Mas, francamente, US$ 40 / ano é exorbitante e, a menos que você seja um viajante freqüente, planejando viagens de trabalho durante todo o ano, não recomendo pagar pelo serviço.

Usando o Google MyMaps

O aplicativo Google MyMaps em um telefone Android.

O Google MyMaps não é tão detalhado quanto o TripIt quando se trata de planejar um feriado. É útil para visualizar onde você quer ir (especialmente se for uma viagem).

Eu incluí um itinerário que foi planejado no Google MyMaps para uma viagem pela estrada na Nova Zelândia aqui como exemplo:

Uma observação no Google Trips : o Google também tem um aplicativo com funcionalidade semelhante ao TripIt, chamado Google Trips . Embora o Google Trips possa verificar automaticamente seus e-mails para criar um itinerário para você, não apresentamos o Google Trips aqui porque ele não funciona tão bem quanto o TripIt (pelo menos por enquanto).

Em primeiro lugar, o Google Trips existe apenas em um aplicativo para Android e não pode ser acessado em um navegador. Segundo, você tem menos controle granular sobre seus planos. O TripIt permite que você adicione facilmente detalhes sobre hospedagem, atividades, rotas, etc. A verificação automática de e-mails do Google Trips também (de forma surpreendente) não funciona tão bem quanto os algoritmos do TripIt.

Onde o Google Trips brilha está na integração com outros serviços do Google. Por exemplo, é muito mais intuitivo encontrar e-mails de reserva relacionados para seu voo no Google Trips. O Google Trips também tem um recurso de “guia off-line”, que faz o download de informações sobre locais de interesse, transporte, descontos, etc. relacionados à sua viagem. Se você estiver interessado nessas funcionalidades automáticas, pode conferir aqui.

O Google MyMaps é como uma extensão do Google Maps. Ele tem acesso ao banco de dados inteiro de locais, hotéis, atividades etc. do Google. Você pode pesquisar facilmente um ponto de interesse e aplicar um alfinete (chamado de “marcador”) no mapa.

Você pode pesquisar pontos de interesse, pontos de referência ou outros destinos no Google MyMaps e adicioná-los como “marcadores”, seja para referência ou para adicionar “rotas”.

Você pode, então, rotular o pino de acordo (e até mesmo alterar o ícone e a cor do pino) para fácil referências no futuro.

” … você naturalmente vai querer olhar para o Google MyMaps … quando você precisa de uma referência [visual] rápida para o seu itinerário … a natureza visual do MyMaps (que mostra convenientemente seus pontos de referência / direções) permite que você rapidamente Descubra onde você estará fazendo alguma coisa. “

Um dos recursos mais úteis é também a capacidade de criar “direções”. Com isso, você pode facilmente ver onde você está indo entre pontos de interesse e ainda medir a distância com uma simples régua.

Você pode adicionar rotas no Google MyMaps e uma rota será mapeada para você em sequência. Você pode alterar a rota arrastando-a. Aqui, você pode ver a rota de Taupo (C) a Rotorua (D).

No entanto, o Google MyMaps é limitado, pois você não pode obter rotas de GPS passo-a-passo do próprio MyMaps. Na verdade, não há link para o Google Maps para obter essas rotas. Terá de abrir manualmente o Google Maps e introduzir as direções para obter direções de GPS passo a passo, o que é um aborrecimento. Ou exportar o link e enviar pra você mesmo e abrir no Google Maps.

Não obstante, você verá que, naturalmente, você desejará olhar para o Google MyMaps sobre o TripIt quando precisar de uma referência rápida para o seu itinerário. Isso ocorre porque a natureza visual do MyMaps (que mostra convenientemente seus pontos de referência / direções) permite que você descubra rapidamente onde você estará em determinado trecho de seu itinerário.

Você pode editar o “título” e “notas” para cada marcador para incluir detalhes adicionais ou alterar o nome (e o ícone) do ponto de interesse.

Além disso, se você editar cada ponto de referência para indicar manualmente as datas em que pretende visitar o ponto de referência, terá uma referência rápida e fácil posteriormente.

Você se verá usando o TripIt e o Google MyMaps enquanto planeja suas férias

Ao fazer o pré-planejamento, o uso do TripIt e do Google MyMaps é uma prancheta conveniente para o planejamento do “esqueleto” (ou estrutura) do seu itinerário. Com essa estrutura (que você pode mudar facilmente conforme faz mais pesquisas e mudar seus planos), você tem um ponto de referência fácil ao observar atividades e acomodações.

Isso também ajuda quando você começa a fazer suas reservas, porque é fácil voltar ao seu itinerário no TripIt ou no MyMaps para ver se você perdeu alguma coisa.

E, claro, quando você estiver de férias, as informações armazenadas off-line no TripIt serão úteis sempre que precisar de detalhes sobre seu vôo, acomodações ou atividades (convenientemente armazenadas em um só lugar!).

O uso desses serviços inteligentes economiza muito tempo e nos ajuda a garantir que não perderemos nada.

É indicado para qualquer pessoa que esteja planejando uma viagem qualquer (com um itinerário detalhado).

Quem não deveria usar isso?
Qualquer pessoa não familiarizada com o uso de aplicativos para smartphone e prefere documentos impressos.

Fonte: https://www.enjoythesmart.life/article/review-tripit-and-google-mymaps-apps-website

Compartilhando um diretório do Windows (Active Directory) no Linux

Maneira simples de acessar compartilhamentos Windows em um servidor Linux.

Imagine a seguinte situação:

  1. Você tem uma infraestrutura com Active Directory da Microsoft ou LDAP, com pastas compartilhadas na rede, tudo funcionando de boa;
  2. Você também tem um servidor web (apache ou nginx) rodando tranquilamente, servindo sua intranet ou site na internet…;
    1. Aí alguém chega pra você e fala:
      – Sabe essa pasta compartilhada do setor XXX, então, precisamos colocar esses arquivos disponíveis TAMBÉM na Web (intranet ou internet).
      – Ah, mas esses arquivos devem continuar sendo acessível normalmente pelo compartilhamento do Windows. 

Isso é bem fácil de resolver, basta utilizar o cliente CIFS de sistemas de arquivos do Windows.

1° passo

Criar um ponto de montagem no servidor web. Usualmente utilizamos o /mnt, mas fica a critério de suas necessidades. No nosso exemplo, vamos criar esse ponto de montagem direto na pasta DocumentRoot de nosso servidor, que roda Apache e posteriormente definir o usuário apache como dono do diretório criado.

[root@servidor ~]# mkdir /var/www/html/arquivos

[root@servidor ~]# chown apache:apache /var/www/html/arquivos/ -R

2º passo

Criar um arquivo com as credenciais de acesso do Active Directory à pasta compartilhada. Vamos criar dentro do home do usuário Root:

[root@servidor ~]# vim /root/.shared_credencial

Insira essas informações, tão como informados:

username=nome_usuario_ad
password=senha_usuario_ad
domain=dominio.de.seu.ad

3º passo

Editar o fstab, inserindo o ponto de montagem para a pasta /var/www/html/arquivos, passando as credencias de acesso que foram registradas em /root/.consu_credencial.

[root@manjuba ~]# vim /etc/fstab

Inserir a seguinte linha no final do arquivo, substituindo o IP do servidor de arquivos e o caminho da pasta compartilhada do exemplo dado (192.168.0.10/SETORX/arquivos) pelas informações de seu compartilhamento windows.

//192.168.0.10/SETORX/arquivos /var/www/html/arquivos/ cifs credentials=/root/.shared_credencial,iocharset=utf8,sec=ntlm,nobootwait,uid=apache,gid=apache 0 0

4º passo

Se você fizer uma nova entrada no fstab, ela não será montada automaticamente. Portanto, você deve recarregar/atualizar as entradas. Uma reinicialização no Linux fará isso, mas essa não é uma maneira amigável. Uma maneira rápida de recarregar novas entradas em /etc/fstab é usar o comando mount:

[root@manjuba ~]# mount -a

Após isso, se você acessar a pasta montada, irá ter acesso aos arquivos compartilhados e como foi montado dentro do DocumentRoot do apache, os mesmos também estarão acessíveis na Web.

[root@manjuba ~]# ls /var/www/html/arquivos/

http://192.168.0.10/arquivos/

 

 

Como criar um repositório GiT de um projeto já existente e enviar ao Bitbucket?

Criando essa postagem porque nunca lembro desta sequência de comandos!

Situação: você possui um projeto já existente (pasta) e deseja que esse projeto vire um repositório GIT e que seu conteúdo seja enviado ao Bitbucket ou outro host remoto, como faz?

Obviamente você precisará ter o GiT já instalado em sua máquina (não vou colocar isso aqui), partindo do pressuposto que você ja o tenha instalado, execute os seguintes comandos para realizar a atividade proposta:

OBS: os comandos devem ser executados na pasta do projeto

  1. git init (inicializa um repositório GIT)
  2. git add –all (adiciona todos os arquivos ao GIT)
  3. git remote add origin LINK_PARA_O_REPOSITORIO (este link você consegue no próprio Bitbucket na página do projeto)
  4. git commit -m “Commit inicial” (cria um commit inicial)
  5. git push -u origin master (envia seu projeto para a branch master, se tive routra branch, mude o nome).

É isso!

Sistema Educativo na Europa

Na Espanha existe um grupo que reúne diversos especialistas do setor de educação, centros educativos, pais de alunos, gestores de escolas e diversos outros profissionais responsáveis pela tomada de decisão educacional no país.

O grupo mantém um periódico com artigos e matérias relacionadas a educação, chamado Periódico Magisterio. É tido como o mais antigo boletim sobre esse tema na Espanha, com mais de 145 anos de existência. Dirigido aos profissionais de educação, semanalmente é enviado aos centros educativos, secretarias de educação, associações de profissionais de ensino e diversas outras entidades do país com as informações mais qualificadas do setor. Todo esse material também fica disponível no portal www.magisnet.com.

Juntamente com a entidade EDUCARE, o Periódico Magisterio têm desenvolvido um trabalho de explicar o funcionamento do sistema de ensino em diversos países da Europa. E para isso, utilizam o método de infográfico. Veja a seguir alguns já produzidos.

Chipre

Fonte: https://www.magisnet.com/pdf/Infograf%C3%ADa-Chipre.pdf

Bulgária


Fonte: https://www.magisnet.com/pdf/Infograf%C3%ADa-Bulgaria.pdf

Croácia

Fonte: https://www.magisnet.com/pdf/Infograf%C3%ADa-Croacia.pdf


Veja neste link, todos os demais infográficos produzidos, ou acesse diretamente no link dos respectivos países:

Geradores de sintaxe Crontab

Se você quiser executar periodicamente uma tarefa (por exemplo, enviar e-mails, fazer backup de banco de dados, fazer manutenção regular etc.) em horários e datas especificadas, é bem provável que você irá utilizar o CRON disponível nos sistemas Unix / Linux para isso.

A sintaxe de agendamento é simples, mas permite muitas customizações:

# .---------------- minute (0 - 59) 
# | .------------- hour (0 - 23)
# | | .---------- day of month (1 - 31)
# | | | .------- month (1 - 12) OR jan,feb,mar,apr ... 
# | | | | .---- day of week (0 - 7) (Sunday=0 or 7)  OR sun,mon,tue,wed,thu,fri,sat 
# | | | | |
# * * * * *  command to be executed

Para facilitar na hora de definir esse agendamento, existe alguns geradores que poderão ajudá-lo a produzir uma sintaxe de crontab que você possa copiar e colar em seu arquivo crontab (você pode abrir o arquivo usando o comando crontab –e).

Crontab GURU
https://crontab.guru/

Crontab Generator
https://crontab-generator.org/ ou https://crontabgenerator.org/

 

 

Turnkey Linux – Access denied for user ‘root’@’localhost’

Se você estiver utilizando algum Appliance da TurnKey GNU/Linux 15.0 que venha com banco de dados MySQL, saiba que o banco que vem por padrão é o MariaDB e isso é ótimo!

Distributor ID: TurnKey
Description: TurnKey GNU/Linux 9.5 (stretch)
Release: 9.5
Codename: stretch

Algo que tem ocorrido com essa versão do Appliance é que o acesso ao TurnKey Linux Database Administration Console – Powered by Adminer   – (https://IP:12322), é não permitir o login com usuário root e senha definida na instalação, exibindo o erro:

Access denied for user ‘root’@’localhost’

Para resolver isso o procedimento é simples:

# mysql -u root -p 
Welcome to the MariaDB monitor.  Commands end with ; or \g.
Your MariaDB connection id is 6
Server version: 10.1.26-MariaDB-0+deb9u1 Debian 9.1
Copyright (c) 2000, 2017, Oracle, MariaDB Corporation Ab and others.
Type 'help;' or '\h' for help. Type '\c' to clear the current input statement.

MariaDB [(none)]> use mysql;
MariaDB [(none)]> update user set password=PASSWORD('INFORME_A_SENHA') where User='root';
MariaDB [(none)]> update user set plugin='' where User='root';
MariaDB [(none)]> flush privileges; 
MariaDB [(none)]> quit;

# /etc/init.d/mysql restart

Lembrando que esse não é um erro, mas uma modificação na imagem Turnkey Linux na versão 9.5. O acesso ao banco de dados MySQL/MariaDB pode ser feito normalmente pelo usuário adminer e senha definida na instalação, sem necessidade de fazer essa alteração acima no console.

Como fazer uma separação a cada 4 resultados de foreach

Esses dias recebi essa pergunta aqui no blog:

Olá, você poderia me ajudar com essa dúvida em PHP?

Preciso que, a cada quatro valores listados de um foreach, coloque uma separação.

Já consigo buscar todas as informações do BD e exibi-las, porém gostaria dessa divisão a cada 4 resultados.

Seria algo tipo:

[xxx] [xxx] [xxx] [xxx]

________

[xxx] [xxx] [xxx] [xxx]

Ou seja, uma linha para separar a cada 4 valores.

//Exemplo:
foreach ($links->result() as $value) {
echo $value;
}

Bem isso é bem simples de resolver, basta fazer algo assim:

$contador = 1;
foreach ($links->result() as $value) {
echo $value;

if($contador%4==0){
echo 'SEPARADOR';
} 
$contador++;
}

Fonte: http://php.net/manual/en/control-structures.foreach.php